Portal do Governo Brasileiro
2012 - Livro Vermelho 2013

Aechmea distichantha Lem. LC

Informações da avaliação de risco de extinção


Data: 16-04-2012

Criterio:

Avaliador: Miguel d'Avila de Moraes

Revisor: Tainan Messina

Analista(s) de Dados: CNCFlora

Analista(s) SIG:

Especialista(s):


Justificativa

Espécie amplamente distribuída. Não foi considerada sob risco de ameaça.

Taxonomia atual

Atenção: as informações de taxonomia atuais podem ser diferentes das da data da avaliação.

Nome válido: Aechmea distichantha Lem.;

Família: Bromeliaceae

Sinônimos:

  • > Aechmea distichantha var. distichantha ;
  • > Aechmea distichantha var. glaziovii ;
  • > Aechmea brasiliensis ;
  • > Aechmea distichantha var. typica ;
  • > Aechmea excavata ;
  • > Aechmea glaziovii ;
  • > Aechmea platyphylla ;
  • > Aechmea rubra ;
  • > Billbergia polystachia ;
  • > Chevaliera grandiceps ;
  • > Hohenbergia distichantha ;
  • > Platyaechmea distichantha ;
  • > Quesnelia distichanta ;

Mapa de ocorrência

- Ver metodologia

Informações sobre a espécie


Dados populacionais

Segundo Bataghin et al. (2010), em estudo sobre a distribuição da comunidade de epífitas vasculares em sítiossob diferentes graus de perturbação na Floresta Nacional de Ipanema - SP, foram encontrados 10 indivíduos epifíticos. A espécie apresentou baixo Valor de Importância Ecológica (0,5) no ambiente Remanescente Isolado/Alterado. A unidade possui 5.179,93 hectares e está localizada nos municípios de Iperó, Capela do Alto e Araçoiaba da Serra. Foram registrados cinco indivíduos em uma área de 47,3 ha que correspondeu a um baixo valor de importância (1,07) (Dettke et al., 2008). Geraldino et al. (2010) reportou 12 indivíduos com uma densidade relativa de 1,78 na Capela do Calvário (média altitudinal 630 m), área particular com ca. 30 ha no município de Campo Mourão - PR. Seus limites são terrenos agrícolas cultivados e uma represa no Rio do Campo, que atravessa a propriedade de sul a norte. Kersten; Silva (2002) relataram cinco indivíduos em ca. 9 ha de floresta ombrófila mista aluvial da Refinaria Presidente Vargas (Repar/Petrobras) no município de Araucária-PR. Nesse estudo, a espécie recebeu as maiores notas de abundância devido ao grande porte das rosetas foliares, pois raramente são observadas em grande quantidade em um mesmo estrato ou árvore. Kersten (2006) encontrou a espécie em áreas de floresta ombrófila mista na bacia do Alto Iguaçu - PR. Nesse estudo, a espécie apresentou frequência absoluta nas zonas = 10% e frequência absoluta nos forófitos = 40% no ecótono Floresta Ombrófila Densa/Floresta Ombrófila Mista, sendo encontrada preferencialmente na copa interna dos forófitos. Já na área do planalto paranaense, a espécie apresentou frequência absoluta nas zonas = 12% e frequência absoluta nos forófitos = 30%; nesta área, A. distichantha foi considerada pioneira tardia e a sexta mais importante - a única bromélia dentre as 10 espécies mais importantes, devido sua elevada dominância. Segundo Nunes-Freitas (2004) a espécie ocorreu com frequência relativa de 2% em 39 unidades amostrais na Ilha Grande - RJ, a partir de um total de 1051 indivíduos divididos em: 882 indivíduos em área florestada da praia de Palmas, 159 indivíduos na Reserva Biológica Estadual da Praia do Sul e nove indivíduos na praia de Santo Antônio. Santos (2008) encontrou a espécie no Parque Estadual das Fontes do Ipiranga, São Paulo - SP. Nesta área, A. distichantha apresentou Valor de Importância Epifítico = 1,88 e Dominância Absoluta = 17.

Distribuição

No Brasil, a espécie ocorre em áreas de Cerrado e Mata Atlântica nos Estados de Minas Gerais, Espírito Santo, São Paulo, Rio de Janeiro, Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul e em toda a região Centro-Oeste (Forzza et al., 2010). A espécie também ocorre na Argentina, Uruguai e Paraguai (Reitz, 1983). A espécie foi registrada para a Serra de São José, em Tiradentes-MG (Alves; Kobek, 2009). Foi registrada para a área urbana de Curitiba (Biondi; Pedrosa-Macedo, 2008). Elevação segundo Reitz (1983), Martinelli (1994), Cielo-Filho et al. (2009), Kersten; Silva (2002). A espécie foi registrada às margens do rio São Jerônimo, entre os municípios de Guarapuava e Pinhão - PR, em mata ciliar próxima ao rio (floresta de planície) (Kersten et al., 2009). A espécie foi registrada como holoepífita facultativa na planície litorânea da Praia da Fazenda e pertencente ao Núcleo Picinguaba do Parque Estadual da Serra do Mar, situada no norte do município de Ubatuba - SP (Mania, 2008). Moura et al. (2007) indicam ocorrência do táxon para as restingas de Mangaratiba até Ponta da Trindade, incluindo a Ilha Grande. Nanuncio; Moro (2008) registraram a espécie em estepes savânicas de Piraí da Serra - PR. Segundo Ritter (2008), a espécie ocorre nas seguintes localidades dos Campos Gerais do PR: Piraí da Serra, Vale do Rio São João, P.E. Vila Velha, Buraco do Padre, Usina Pitangui e Cachoeira da Mariquinha. Ocorre nos campos do planalto de Itararé - SP, área de aproximadamente 40.000 ha (Scaramuzza, 2006).

Ecologia

Martinelli (1994) indicou que A. distichantha em Paraty floresce em novembro e dezembro e a maturação dos frutos ocorre entre janeiro e fevereiro, sendo visitada pelos beija-flores Ramphodon naevius e Thalurania glaucopsis. Ainda, a partir de ensaios de polinização o autor sugere que a espécie é auto-incompatível.

Ameaças

1.3 Extraction
Detalhes Devido a sua ocorrência fora da região "bromélia-malária" em SC, a espécie não foi afetada pelo desmatamento e retirada manual (Reitz, 1983).

Ações de conservação

4.4 Protected areas
Situação: on going
Observações: ​Ocorre no Parque Estadual do Monge, localizado no município de Lapa – PR. A unidade possui uma área de 297,83 ha, onde são desenvolvidas atividades de pesquisa, vigilância e turismo religioso (IAP, 2002). Cielo-Filho et al. (2009) reportou a espécie para a Floresta Estadual e Estação Ecológica de Paranapanema, especificamente ocorrendo ao longo de uma trilha com 471 m de extensão, em área de Floresta Estacional. Ocorre no Parque do Ingá, UC municipal dentro de Maringá - PR, destinada ao turismo, lazer e preservação ambiental, coberta com floresta estacional semidecidua bastante alterada pela ação antrópica (Dettke et al., 2008). A espécie foi registrada no Núcleo Picinguaba do Parque Estadual da Serra do Mar, situada ao norte do município de Ubatuba - SP (Mania, 2008). Ocorre no P.E. do Turvo em Derrubadas - RS (Rocha, 2009). Ocorre no P.E. de Vila Velha - PR, que compreende uma área de 3.803 hectares.

5.7 Ex situ conservation actions
Situação: on going
Observações: Encontra-se cultivada no viveiro da seção de Ornamentais do Instituto de Botânica de São Paulo (Mercier; Guerreiro-Filho, 1990). Mercier; Guerreiro-Filho (1990) após estudo da germinação de Bromeliaceae, concluiram que A. distichantha possui grande potencialidade adaptativa, pois apresentou altas porcentagens de germinação em todas as temperaturas ensaiadas e alta taxa de sobrevivência das plântulas à transferencia para um substrato após 60 dias.

1.2.1.3 Sub-national level
Situação: on going
Observações: A espécie foi considerada "Vulnerável" (VU) na Lista vermelha da flora do Rio Grande do Sul (CONSEMA-RS, 2002).

Referências

- ALVES, R.J.V.; KOLBEK, J. Summit vascular flora of Serra de São José, Minas Gerais, Brazil. Check List, v. 5, n. supl.1, p. 035-073, 2009.

- BATAGHIN, F. A.; BARROS,F.D.; PIRES J.S.R. Distribuição da Comunidade de Epífitas Vasculares em Sítios sob Diferentes Graus de Perturbação na Floresta Nacional de Ipanema, São Paulo, Brasil. Revista Brasileira de Botânica, v. 33, n. 3, 2010.

- KERSTEN, R. A. DE; KUNIYOSHI, Y. S.; RODERJAN, C. V. Epífitas Vasculares em Duas Formações Ribeirinhas Adjacentes na Bacia do Rio Iguaçu - Terceiro Planalto Paranaense, Iheringia, v.64, p.33-43, 2009.

- LUIZ FELIPE MANIA. Florística e Distribuição de Epífitas Vasculares em Floresta Alta de Restinga na Planície Litorânea da Praia da Fazenda, Núcleo Picinguaba, Parque Estadual Serra do Mar, Município de Ubatuba, SP. Dissertação de Mestrado. Rio Claro, SP: Universidade Estadual Paulista, 2008.

- REITZ, R. Bromeliáceas e a Malária - Bromélia Endêmica. 1983. 808 p.

- MERCIER, H.; GUERREIRO FILHO, O. Propagação Sexuada de Algumas Bromélias Nativas da Mata Atlântica: Efeito da Luz e da Temperatura na Germinação, Hoehnea, v.17, p.19-26, 1990.

- DETTKE, G. A.; ORFRINI,A.C.;MILANEZE-GUTIERRE, M.A. Composição Florística e Distribuição de Epífitas Vasculares em um Remanescente Alterado de Floresta Estacional Semidecidual no Paraná, Brasil. Rodriguésia, v. 59, n. 4, 2008.

- GUSTAVO MARTINELLI. Reproductive Biology of Bromeliaceae in the Atlantic Rainforest of Southeastern Brazil. Tese de Doutorado. : University of St. Andrews, 1994.

- ANDRÉ FELIPPE NUNES-FREITAS. Bromeliáceas da Ilha Grande: Variação Inter-habitats na Composição, Riqueza e Diversidade da Comunidade. Tese de Doutorado. Rio de Janeiro, RJ: Universidade do Estado do Rio de Janeiro, 2004.

- CARLOS ALBERTO DE MATTOS SCARAMUZZA. Flora e Ecologia dos Campos de Itararé, São Paulo, Brasil. Tese de Doutorado. : Universidade de São Paulo, 2006.

- RODRIGO DE ANDRADE KERSTEN. Epifitismo Vascular na Bacia do Alto Iguaçu, Paraná. Tese de Doutorado. Curitiba: Universidade Federal do Paraná, 2006.

- GERALDINO, H. C. L.; CAXAMBÚ, M. G.; SOUZA, D. C. DE. Composição Florística e Estrutura da Comunidade de Epífitas Vasculares em uma Área de Ecótono em Campos Mourão, PR, Brasil, Acta botânica brasileira, v.24, p.469-482, 2010.

- KERSTEN, R. A.; SILVA, S. M. Florística e Estrutura do Componente Epífito Vascular em Floresta Ombrófila Mista Aluvial do Rio Barigui, Paraná, Brasil, Revista Brasileira de Botânica, v.25, p.259-267, 2002.

- ANA CAROLINA LAURENTI DOS SANTOS. Composição Florística e Estrutura da Comunidade de Epífitas Vasculares Associadas a Trilhas no Parque Estadual das Fontes do Ipiranga, São Paulo, SP, Brasil. Dissertação de Mestrado. São Paulo, SP: Instituto de Botânica, 2008.

- FORZZA, R.C.; COSTA, A.; SIQUEIRA-FILHO, J.A.; MARTINELLI, G. Bromeliaceae in Lista de Espécies da Flora do Brasil. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Disponivel em: <http://floradobrasil.jbrj.gov.br/2010/FB027600>.

- FERNANDO SOUZA ROCHA. Vegetação Rupestre Associada à Floresta Estacional no Sul do Brasil. Tese de Doutorado. Porto Alegre, RS: Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2009.

- LIA MARIS ORTH RITTER. Composição Florística e Aspectos Físicos do Cerrado nos Campos Gerais, Paraná. Dissertação de Mestrado. Ponta Grossa, PR: Universidade Estadual de Ponta Grossa, 2008.

- NANUNCIO, V. M.; MORO, R. S. O Mosaico de Vegetação Remanescente em Piraí da Serra, Campos Gerais do Paraná: Uma Abordagem Preliminar da Fragmentação Natural da Paisagem, Terra Plural, p.155-168, 2008.

- MOURA, R. L. DE; COSTA, A. F. DA; ARAUJO, D. S. D. DE. Bromeliaceae das Restingas Fluminenses: Florística e Fitogeografia, Arquivos do Museu Nacional, v.65, 2007.

- CIELO-FILHO, R.; BAITELLO, J. B.; PASTORE, J. A. ET AL. Ampliando a Densidade de Coletas Botânicas na Região da Bacia Hidrográfica do Alto Paranapanema: Caracterização Florística da Floresta Estadual e da Estação Ecológica de Paranapanema, Biota Neotropica, p.255-276, 2009.

- BIONDI, D.; PEDROSA-MACEDO, J. H. Plantas Invasoras Encontradas na Área Urbana de Curitiba (PR), Floresta, v.38, p.129-144, 2008.

- GUSTAVO QUEVEDO ROMERO. Associações entre Aranhas Salticidae e Bromeliaceae: História Natural, Distribuição Espacial e Mutualismos. Tese de Doutorado. Campinas, SP: Universidade Estadual de Campinas, 2005.

- IAP. Plano de Manejo Parque Estadual do Monge, 2002.

- FORZZA, R.C., COSTA, A., SIQUEIRA-FILHO, J.A., MARTINELLI, G. Bromeliaceae in Lista de Espécies da Flora do Brasil. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Disponivel em: <http://floradobrasil.jbrj.gov.br/2010/FB005761>.

- CONSELHO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE, RIO GRANDE DO SUL. Decreto estadual CONSEMA n. 42.099 de 31 de dezembro de 2002. Declara as espécies da flora nativa ameaçadas de extinção no estado do Rio Grande do Sul e da outras providências, Palácio Piratini, Porto Alegre, Rio Grande do Sul, 31 dez. 2002, 2002.

Como citar

CNCFlora. Aechmea distichantha in Lista Vermelha da flora brasileira versão 2012.2 Centro Nacional de Conservação da Flora. Disponível em <http://cncflora.jbrj.gov.br/portal/pt-br/profile/Aechmea distichantha>. Acesso em .


Última edição por CNCFlora em 16/04/2012 - 12:32:38