Portal do Governo Brasileiro
2012 - Livro Vermelho 2013

Alcantarea burle-marxii (Leme) J.R.Grant DD

Informações da avaliação de risco de extinção


Data: 25-09-2014

Criterio: N/A

Avaliador: Rodrigo Amaro

Revisor: Luiz Santos

Analista(s) de Dados: Eduardo Fernandez

Analista(s) SIG: Marcelo

Especialista(s): Rafaela Compostrini Forzza


Justificativa

Espécie herbácea, rupícula, de ocorrência em afloramentos graníticos (Inselbergs) dos domínios Cerrado e Mata Atlântica, em áreas de transição com Caatinga (Wanderley et al. 2009; Forzza et al., 2013; Forzza com. pess.). Endêmica do estado de Minas Gerais, onde foi coletada no município de Pedra Azul, em altitudes entre 620 e 1.000 m (Wanderley et al. 2009; CNCFlora 2013). Suspeita-se que a espécie sofra com a perda da qualidade do habitat, além do declínio de EOO e AOO, em função da existência de ameaças em sua área de ocorrência, como a invasão de espécies exóticas, o aumento da incidência de fogo e o pastoreio, principalmente de caprinos, nos Inselbergues (Forzza com. pess.). São necessárias maiores informações sobre a espécie, bem como o aumento do esforço amostral, a fim de se conhecer o real estado de conservação na natureza.

Taxonomia atual

Atenção: as informações de taxonomia atuais podem ser diferentes das da data da avaliação.

Nome válido: Alcantarea burle-marxii (Leme) J.R.Grant;

Família: Bromeliaceae

Sinônimos:

  • > Vriesea burle-marxii ;

Mapa de ocorrência

- Ver metodologia

Informações sobre a espécie


Notas Taxonômicas

A espécie foi descrita originalmente na obra Bromelia 2(3): 26. 1995. Assemelha-se a Alcantarea pataxoana, da qual difere-se principalmente pelo porte quando fértil, tamanho e forma das brácteas florais e pela disposição distinta das brácteas ao londo do pedúnculo; além disso, as flores de A. burle-marxii são nitidamente maiores que àquelas em A. pataxoana (Versieux et al., 2012).

Potêncial valor econômico

O gênero Alcantarea é muito visado pelo mercado de plantas ornamentais, pelo porte e pela beleza das espécies que o compõe (Souza; Lorenzi, 2008).

Distribuição

A espécie é endêmica do Brasil, com ocorrência no Estado de Minas Gerais (Forzza et al. In Lista de Espécies da Flora do Brasil; Forzza et al., 2013), no município de Pedra Azul, em altitudes entre 620 e 1.000 m (Wanderley et al. In Plantas Raras do Brasil; Giulietti et al., 2009).

Ecologia

Erva rupícula de ocorrência nos biomas Cerrado e Mata Atlântica (Forzza 2013). Heliófila, florida 2,1 m, formando touceiras c/ 6-10 indivíduos. Ocorre em afloramentos graníticos (inselbergs), em área de transição entre Mata Atlântica e Caatinga (Wanderley et al. 2009).

Reprodução

Floresce em dezembro, janeiro (Wanderley et al. In Plantas Raras do Brasil; Giulietti et al., 2009) e fevereiro (RB; Verseux, L.M. 420). Coletada com frutos imaturos verdes em fevereiro (RB; Verseux, L.M. 420).

Ameaças

8 Invasive & other problematic species, genes & diseases
Stress 1 Ecosystem/community stresses
Incidência regional
Severidade high
Detalhes Como a espécie é endêmica de inselbergue o maior problema de ameaça não é a agricultura, mas sim a entrada de gramíneas invasoras que ampliam a possibilidade de fogo (Forzza com. pess.).

7.1.1 Increase in fire frequency/intensity
Stress 1 Ecosystem/community stresses
Incidência local
Severidade high
Detalhes O fogo é um dos principais problemas nas regiões de inselbergues (Forzza com. pess.).

2.3.2 Small-holder grazing, ranching or farming
Stress 1.2 Ecosystem degradation
Incidência local
Severidade low
Detalhes A região dos inselbergue pode ser afetada pela presença de animais, principalmente caprinos (Forzza com. pess.).

Referências

- FORZZA, R.C.; COSTA, A.; SIQUEIRA FILHO, J.A.; MARTINELLI, G.; MONTEIRO, R.F.; SANTOS-SILVA, F.; SARAIVA, D. P.; PAIXÃO-SOUZA, B.; LOUZADA, R.B.; VERSIEUX, L. 2013. Bromeliaceae in Lista de Espécies da Flora do Brasil. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. (http://reflora.jbrj.gov.br/jabot/floradobrasil/FB5891)

- WANDERLEY, M.G.L.; LOUZADA, R.B.; SOUSA, G.M.; LIMA, T.T.; VERSIEUX, L.M. Bromeliaceae In: GIULIETTI, A. M.; RAPINI, A.; ANDRADE, M. J. G.; QUEIROZ, L. P. DE; SILVA, J. M. C. D. (Eds.). Plantas Raras do Brasil. Belo Horizonte: Conservaçao Internacional; Univesidade Estadual de Feira de Santana, 2009. p. 496.

Como citar

CNCFlora. Alcantarea burle-marxii in Lista Vermelha da flora brasileira versão 2012.2 Centro Nacional de Conservação da Flora. Disponível em <http://cncflora.jbrj.gov.br/portal/pt-br/profile/Alcantarea burle-marxii>. Acesso em .


Última edição por Rafaela Compostrini Forzza em 23/09/2014 - 12:00:32