Portal do Governo Brasileiro
2012 - Livro Vermelho 2013

Encholirium horridum L.B.Sm. EN

Informações da avaliação de risco de extinção


Data: 16-04-2012

Criterio: B2ab(iii)

Avaliador: Miguel d'Avila de Moraes

Revisor: Tainan Messina

Analista(s) de Dados: CNCFlora

Analista(s) SIG:

Especialista(s):


Justificativa

Apesar de amplamente distribuída, sua ocorrência está restrita aos afloramentos rochosos graníticos. Encholirium horridum ocupa uma área (AOO ) de 192 km² e está sujeita ao declínio contínuo da qualidade do hábitat. A maior ameaça às espécies de Encholirium é a degradação do hábitat devido à extração de rochas calcárias e graníticas. Além disso, quase todos os afloramentos onde a espécie ocorre estão localizados em áreas de pastagem e sujeitos a queimadas e pastoreio de bovinos e caprinos. Sua presença em unidades de conservação (SNUC) não está comprovada. Assim, todas as localidades foram consideradas uma única situação de ameaça, já que não estão protegidas pela legislação. Portanto, a espécie foi avaliada como "Em perigo" (EN).

Taxonomia atual

Atenção: as informações de taxonomia atuais podem ser diferentes das da data da avaliação.

Nome válido: Encholirium horridum L.B.Sm.;

Família: Bromeliaceae

Mapa de ocorrência

- Ver metodologia

Informações sobre a espécie


Notas Taxonômicas

Limbo foliar reflexo, verde a verde-amarelado e com margem aculeada-serrilhada. Rosetas e folhas nitidamente distintas das demais espécies do gênero, sementes longo-caudadas, aliadas as inflorescências do tipo duplo racemo heterotético (Forzza, 2001).

Dados populacionais

Forma grandes subpopulaçoes nos afloramentos rochosos do centro ao norte do Espírito Santo estendendo-se até Minas Gerais, nos Municípios de Nanuque, Teófilo Otoni e Carlos Chagas (Forzza, 2001).

Distribuição

A espécie ocorre nos Estados de Minas Gerais e Espírito Santo (Forzza et al., 2010). Possivelmente esta espécie também ocorre no extremo sul da Bahia e no Rio de Janeiro (Forzza, 2001).

Ecologia

A espécie apresente de 1,80-2,10 m de altura, com hábito rupícola, ocorre isolada ou formando touceiras. Ocorre em abundância sobre afloramentos de granito (Forzza et al., 2003), em acelerado processo de degradação (Versieux; Wendt, 2006). A planta raramente possui crescimento clonal, podendo ser considerada monocarpica, caso raro nas Bromeliaceae (Forzza com. pess.). Sob condições de polinização controlada e protegida da ação de herbívoros, uma inflorescência de E. horridum pode produzir cerca de 300.000 sementes (Forzza et al., 2003).

Ameaças

1.3.1 Mining
Incidência local
Severidade very high
Detalhes A maior ameaça às espécies de Encholirium é a degradação de habitat devido à extração de rochas calcárias e graníticas (Forzza et al., 2003). Esta degradação do ambiente, associada às características biológicas da espécie, como a distribuição geográfica restrita e específica a certos microhabitats, incrementam as pressões para o desaparecimento total de E. horridum (Forzza et al., 2003). E. horridum ocorre em abundância sobre afloramentos de granito. Todavia, a pressão extrativista sobre estas rochas tem eliminado um número elevado de subpopulações. Além disso, a espécie não encontra-se protegida por unidades de conservação (SNUC) (Forzza et al., 2003).

8 Changes in native species dynamic
Incidência local
Severidade very high
Detalhes Alterações no uso/manejo de substrato (Biodiversitas, 2005).

Ações de conservação

5.7 Ex situ conservation actions
Situação: on going
Observações: Conservação ex situ (Biodiversitas, 2005).

1.2.1.2 National level
Situação: on going
Observações: A espécie foi considerada "Deficiente de Dados" (DD) na Lista vermelha da flora do Brasil (MMA, 2008), anexo 2.

1.2.1.3 Sub-national level
Situação: on going
Observações: A espécie foi considerada "Vulnerável" (VU) na Lista vermelha da flora do Espírito Santo (Simonelli; Fraga, 2007).

3.8 Conservation measures
Situação: on going
Observações: Forzza et al. (2003) categoriza a espécie como "Criticamente em perigo" (CR). Além da população de E. horridum ser restrita a afloramentos de granito e em processo acelerado de degradação, a espécie ocorre fora de unidade de conservação (SNUC).

Referências

- RAFAELA CAMPOSTRINI FORZZA. Filogenia da Tribo Puyeae Wittm. e Revisão Taxonômica do Gênero Encholirium Mart. ex Schult. & Schult. F. (Pitcairnioideae - Bromeliaceae). Tese de Doutorado. São Paulo, SP: Universidade de São Paulo, 2001.

- SIMONELLI, M.; FRAGA, C. N. (ORG.). Espécies da Flora Ameaçadas de Extinção no Estado do Espírito Santo. Vitória, ES: IPEMA, 2007. 144 p.

- FORZZA, R. C.; COSTA, A.; SIQUEIRA FILHO, J. A. ET AL. Encholirium in in Lista de Espécies da Flora do Brasil, Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Acesso em: 15 de Março de 2011.

- FORZZA, R. C.; CHRISTIANINI, A. V.; WANDERLEY, M. G. L. ET AL. Encholirium (Pitcairnioideae - Bromeliaceae): Conhecimento Atual e Sugestões para Conservação. Vidalia, v. 1, n. 1, p. 7-20, 2003.

- VERSIEUX, L.; WENDT, T. Checklist of Bromeliaceae of Minas Gerais, Brazil, with Notes on Taxonomy and Endemism. Selbyana, v. 27, n. 2, p. 107-146, 2006.

- FUNDAÇÃO BIODIVERSITAS. Revisão da lista da flora brasileira ameaçada de extinção. Belo Horizonte, MG: FUNDAÇÃO BIODIVERSITAS PARA A CONSERVAÇÃO DA NATUREZA, 2005.

- MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Instrução Normativa n. 6, de 23 de setembro de 2008. Espécies da flora brasileira ameaçadas de extinção e com deficiência de dados, Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 24 set. 2008. Seção 1, p.75-83, 2008.

- FORZZA, R.C. Comunicação pessoal da especialista botânica Rafaela Campostrini Forzza para os analistas de dados Diogo Marcilio Judice, Eduardo Pinheiro Fernandez, Rafael Augusto Xavier Borges e Thiago Serrano de Almeida Penedo, pesquisadores do CNCFlora., 2011.

Como citar

CNCFlora. Encholirium horridum in Lista Vermelha da flora brasileira versão 2012.2 Centro Nacional de Conservação da Flora. Disponível em <http://cncflora.jbrj.gov.br/portal/pt-br/profile/Encholirium horridum>. Acesso em .


Última edição por CNCFlora em 16/04/2012 - 19:08:20