Portal do Governo Brasileiro

Bertholletia excelsa Bonpl. VU

Informações da avaliação de risco de extinção


Data: 25-05-2012

Criterio: A3cd

Avaliador: Pablo Viany Prieto

Revisor: Tainan Messina

Analista(s) de Dados: CNCFlora

Analista(s) SIG:

Especialista(s):


Justificativa

Bertholletia excelsa é uma espécie de grande valor comercial, amplamente distribuída e bastante frequente na Amazônia brasileira. Embora seja protegida por lei, B. excelsa sofre com uma forte pressão extrativista devido à coleta de suas sementes para fins industriais e de alimentação, o que já vem restringindo o recrutamento de novos indivíduos em algumas subpopulações. Além disso, a espécie vem sofrendo com um expressivo declínio contínuo na extensão e qualidade do seu habitat em boa parte da sua distribuição, devido à expansão de atividades agropecuárias. Suspeita-se que, a despeito da proteção legal, B. excelsa sofra com a exploração madeireira devido ao seu grande porte e tronco colunar, típicos das Lecythidaceae. Assim, considerando as ameaças atuais e potenciais às quais encontra-se submetida, e estimando o tempo de geração da espécie em pelo menos 50 anos, é possível suspeitar que B. excelsa venha a sofrer um declínio populacional de pelo menos 30% nos próximos 100 anos.

Taxonomia atual

Atenção: as informações de taxonomia atuais podem ser diferentes das da data da avaliação.

Nome válido: Bertholletia excelsa Bonpl.;

Família: Lecythidaceae

Sinônimos:

  • > Barthollesia excelsa Silva Manso;
  • > Bertholletia nobilis Miers;

Mapa de ocorrência

- Ver metodologia

Informações sobre a espécie


Notas Taxonômicas

A espécie é conhecida vulgarmente como castanheira, castanha-do-Pará, castanha do Brasil (Smith et al. 2012), amendoeira da américa, castanha-mansa e castanha-verdadeira (Lorenzi, 2002).

Distribuição

Ocorre no Brasil, Guianas, Colômbia, Venezuela, Peru e Bolívia (Mori et al., 1990). No Brasil a espécie ocorre nos estados do Amapá, Pará, Amazonas, Acre, Rondônia e Mato Grosso (Smith et al., 2012).

Ecologia

Árvore emergente (Ribeiro et al. 1999; Prance; Mori, 2004), semidecidua, com sistema sexual auto-incompativel (Maués, 2002). Floração de Novembro a Fevereiro, apresentando polinização por espécies de abelhas dos gêneros Eulaema, Xylocopa, Bombus, Ephicharis e Centris (Prance, 1976; Nelson et al., 1985; Prance; Mori, 2004) e frutificação de Dezembro a Março com dispersão de sementes por roedores, especialmente a cutia (Saravy et al., 2003; Tonini et al., 2008).

Ameaças

1 Habitat Loss/Degradation (human induced)
Severidade high
Detalhes A floresta Amazônica vemsofrendo ao longo dos anos intenso desmatamento, a área cumulativa desmatada naAmazônia legal brasileira chegou a cerca de 653 mil km², em 2003,correspondendo a 16,3%. Esse desmatamento vem sendo gerado por especulação deterras, crescimento das cidades, aumento na pecuária, exploração madereira,agricultura familiar e para agroindustria, principalmente cultivo de soja e algodão (Ferreira et al., 2005;Fearnside, 2003; Alencar et al., 2004 e Laurance et al., 2004). Segundo Mori et al. (1990) entre os anos de 1978 e 1983 ocorreu uma grande queda na produçãode castanha (Bertholletia excelsa)devido a derrubada das árvores.

Ações de conservação

1.2.1.3 Sub-national level
Situação: on going
Observações: Vulnerável (VU). Lista vermelha da flora do Pará (COEMA-PA, 2007).

1.2.2.2 National level
Situação: on going
Observações: Vulnerável (VU). Lista vermelha da flora do Brasil (MMA, 2008), anexo 1.

1.2.1.1 International level
Situação: on going
Observações: Vulnerável (VU). Lista vermelha IUCN (2011).

5.7 Ex situ conservation actions
Situação: on going
Observações: Ocorre cultivada próximo aos alojamentos na Reserva Florestal Ducke (Ribeiro et al. 1999).

Usos

Referências

- SMITH, N.P; MORI, S.A.; PRANCE, G.T. Lecythidaceae in In Lista de Espécies da Flora do Brasil, Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Disponivel em: <>. Acesso em: 03 abril 2012.

- MAUÉS, M.M.KEVAN, P.; IMPERATRIZ-FONSECA, V.L. Reproductive phenology and pollination of the Brazil nut tree ( Bertholletia excelsa Humb. & Bonpl. Lecythidaceae) in Eastern Amazonia. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, 2002.

- PRANCE, G.T.; MORI, S.A.KUBITZKI, K.I. Lecythidaceae. New York, NY: Springer, 2004. 221-232 p.

- NELSON, B.W.; ABSY, M.L.; BARBOSA, E.M.; PRANCE, G.T. Observations on flower visitors to Bertholletia excelsa H.B.K. and Couratari tenuicarpa A.C. Sm. (Lecythidaceae). Acta Amazonica, v. 1-2, p. 225-234, 1985.

- SARAVY, F.P.; FREITAS, P.J.; LAGE, M.P.; LEITE, S.J.; BRAGA, L.F.; SOUSA, M.P. Síndrome de dispersão em estratos arbóreos em um fragmento de Floresta ombrófila aberta e densa em alta floresta ? MT. Revista do Programa de Ciências Agro-Ambientais, v. 2, n. 1, p. 1-12, 2003.

- TONINI, H.; COSTA, P.; KAMINSKI, P.E. Estrutura e produção de duas populações nativas de castanheira-do-Brasil (Bertholletia excelsa O. Berg) em Roraima. Floresta, v. 38, n. 3, p. 445-457, 2008.

- PRANCE, G.T. The Pollination and Androphore Structure of Some Amazonian Lecythidaceae. Biotropica, v. 8, n. 4, p. 235-241, 1976.

- ALENCAR, A.; NEPSTAD, D.; MCGRATH, D.; MOUTINHO, P.; PACHECO, P.; DIAZ, M.D.C.V.; FILHO, B.S. Desmatamento na Amazônia: indo além da "emergência crônica". Belém, PA: Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazõnia - IPAM, 2004. 89 p.

- LAURANCE, W.F.; ALBERNAZ, A.K.M.; FEARNISIDE, P.M.; VASCONCELOS, H.L.; FERREIRA, L.V. Deforestation in Amazonia. Science, v. 304, n. 21, p. 1109, 2004.

- FERREIRA, L. V.; VENTICINQUE, E.; ALMEIDA, S. O desmatamento na Amazônia e a importância das áreas protegidas. Estudos Avançados, v. 19, n. 53, p. 157-166, 2005.

- MORI, S.A.DE OLIVEIRA, A. A.; DALY, D. A familia da castanha-do-Para: símbolo do Rio Negro. São Paulo, SP & New York, NY: Companhia das Letras, 2001. 141 p.

- MORI, S.A.; LEPSCH-CUNHA, N. The Lecythidaceae of a Central Amazonian Moist Forest. New York, NY: The New York Botanical Garden, 1995. 55 p.

- MORI, S.A.; PRANCE, G.T.; ZEEUW, C.H. Lecythidaceae, Part 2. The Zygomorphic-Flowered New World Genera (Couroupita,Corythophora, Bertholletia, Couratari, Eschweilera, & Lecythis), With a Study of SecondaryXylem of Neotropical Lecythidaceae. New York, NY: New York Botanical Garden, 1990. 373 p.

- PRANCE, G.T.; MORI, S.A.HOPKINS, H.C.F.; HUXLEY, C.R.; PANNEL, C.M.; PRANCE, G.T.; WHITE, F. Pollination and dispersal of Neotropical Lecythidaceae. Londres: Royal Botanical Garden, 1998. 27 p.

- FEARNSIDE, P.M. Biodiversidade nas Florestas Amazônicas Brasileiras: riscos, valores e conservação. A Floresta Amazônica nas Mudanças Globais. Manaus, AM: Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia - INPA, p.19-44, 2003.

- AMERICAS REGIONAL WORKSHOP (CONSERVATION & SUSTAINABLE MANAGEMENT OF TREES, COSTA RICA). Bertholletia excelsa in IUCN Red List of Threatened Species. Version 2011.2, IUCN. IUCN. Acesso em: Downloaded on 10 April 2012.

- MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Instrução Normativa n. 6, de 23 de setembro de 2008. Espécies da flora brasileira ameaçadas de extinção e com deficiência de dados, Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 24 set. 2008. Seção 1, p.75-83, 2008.

- CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE, PARÁ. Resolução COEMA nº 54 de 24 de outubro de 2007. Homologa a lista de espécies da flora e da fauna ameaçadas no Estado do Pará., Belém, PA, 2007.

- LORENZI, H. Árvores brasileiras: Manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. Nova Odessa, SP: Instituto Plantarum, 2002. 149 p.

- RIBEIRO, J.E.L.S.; HOPKINS, M.J.G.; VICENTINI, A. ET AL. Flora da Reserva Ducke: guia de identificação das plantas vasculares de uma floresta de terra-firme na Amazônia Central. Manaus, AM: Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia, INPA, 1999.

Como citar

CNCFlora. Bertholletia excelsa in Lista Vermelha da flora brasileira versão 2012.2 Centro Nacional de Conservação da Flora. Disponível em <http://cncflora.jbrj.gov.br/portal/pt-br/profile/Bertholletia excelsa>. Acesso em .


Última edição por CNCFlora em 25/05/2012 - 17:18:35