Portal do Governo Brasileiro
2012 - Livro Vermelho 2013

Cariniana legalis (Mart.) Kuntze EN

Informações da avaliação de risco de extinção


Data: 25-05-2012

Criterio: A2cd

Avaliador: Pablo Viany Prieto

Revisor: Tainan Messina

Analista(s) de Dados: CNCFlora

Analista(s) SIG: Marcelo

Especialista(s):


Justificativa

Considerada a maior árvore da Mata Atlântica, Cariana legalis é amplamente distribuída no leste do Brasil. Os indivíduos da espécie apresentam tronco tipicamente colunar e podem atingir mais de 30 m de altura e 4 m de diâmetro, formando fustes de grande tamanho que se destacam em meio às árvores do dossel onde ocorrem. Além disso, C. legalis é uma espécie extremamente longeva, com indivíduos que podem atingir mais de 500 anos, e as subpopulações geralmente são compostas de vários indivíduos de grande porte, supostamente muito antigos. Dessa forma, o tempo de geração da espécie é estimado em cerca de 100 anos. Suspeita-se que C. legalis tenha sofrido com a exploração madeireira sistemática ao longos dos últimos séculos, devido à qualidade da sua madeira e ao tronco colunar de grandes dimensões, e que essa exploração ainda ocorra em algumas localidades. Além disso, por ocorrer em grande parte do bioma Mata Atlântica, a espécie vem sofrendo um forte declínio contínuo na qualidade e extensão do seu habitat ao longo de praticamente toda a sua distribuição. Dessa forma, é possível suspeitar que C. legalis tenha sofrido um declínio populacional de pelo menos 50% nos últimos 300 anos.

Taxonomia atual

Atenção: as informações de taxonomia atuais podem ser diferentes das da data da avaliação.

Nome válido: ;

Família:

Mapa de ocorrência

- Ver metodologia

Informações sobre a espécie


Notas Taxonômicas

Conhecida vulgarmente comojequitibá-cravinho (Mori, 1995; Smith etal., 2012), apresenta semelhança morfológica com C. legalis (Mart.) Kuntzediferindo por apresentar ramos dentro da copa possuindo ângulos agudos, cascainterna cor da pele, folhas bem menores e frutos com ápice truncado (Mori;1995).

Distribuição

A espécie ocorre apenas no Espírito Santo (Smith et al. 2012).

Ecologia

Árvore alcançando até 25 m, hermafrodita, registro de floração ocorrendo nos meses de Agosto e Outubro sendo polinizada provavelmente por abelhas, frutificação em Outubro com dispersão de semente ocorrendo pelo vento, presente em florestas altas na Mata atlântica (Mori, 1995; Prance; Mori, 1998).

Ameaças

1 Habitat Loss/Degradation (human induced)
Incidência national
Severidade high
Detalhes A Mata Atlântica vemsofrendo ao longo dos anos intensa retirada de cobertura vegetal nativa,degradação do solo e introdução de espécies exóticas, visando a utilizaçãodestas áreas para plantios e pastagens (Galindo-Leal; Câmara, 2005).

Ações de conservação

4.4 Protected areas
Situação: on going
Observações: Uma população encontra-se protegida na Reserva Vale do Rio Doce em Linhares (Mori, 1995).

1.2.1.2 National level
Situação: on going
Observações: Em Perigo (EN). Lista vermelha da flora do Brasil (MMA, 2008), anexo 1.

1.2.2.3 Sub-national level
Situação: on going
Observações: Em Perigo (EN). Lista vermelha da flora do Espírito Santo (Simonelli; Fraga, 2007).

Referências

- SMITH, N.P; MORI, S.A.; PRANCE, G.T. Lecythidaceae in In Lista de Espécies da Flora do Brasil, Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Disponivel em: <>. Acesso em: 03 abril 2012.

- PRANCE, G.T.; MORI, S.A. Lecythidaceae: Part I: The Actinomorphic-Flowered New World Lecythidaceae (Asteranthos,Gustavia, Grias, Allantoma, & Cariniana). New York, NY: New York Botanical Garden, 1979. 270 p.

- MORI, S.A.; PRANCE, G.T.; ZEEUW, C.H. Lecythidaceae, Part 2. The Zygomorphic-Flowered New World Genera (Couroupita,Corythophora, Bertholletia, Couratari, Eschweilera, & Lecythis), With a Study of SecondaryXylem of Neotropical Lecythidaceae. New York, NY: New York Botanical Garden, 1990. 373 p.

- PRANCE, G.T.; MORI, S.A.HOPKINS, H.C.F.; HUXLEY, C.R.; PANNEL, C.M.; PRANCE, G.T.; WHITE, F. Pollination and dispersal of Neotropical Lecythidaceae. Londres: Royal Botanical Garden, 1998. 27 p.

- ALENCAR, A.; NEPSTAD, D.; MCGRATH, D.; MOUTINHO, P.; PACHECO, P.; DIAZ, M.D.C.V.; FILHO, B.S. Desmatamento na Amazônia: indo além da "emergência crônica". 2004. 89 p.

- FEARNSIDE, P.M. Biodiversidade nas Florestas Amazônicas Brasileiras: riscos, valores e conservação. Manaus, AM: Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia - INPA, 2003. 44 p.

- LAURANCE, W.F.; ALBERNAZ, A.K.M.; FEARNSIDE, P.M.; VASCONCELOS, H.L.; FERREIRA, L.V. Deforestation in Amazonia. Science, v. 304, p. 1109, 2004.

- FERREIRA, L. V.; VENTICINQUE, E.; ALMEIDA, S. O desmatamento na Amazônia e a importância das áreas protegidas. Estudos Avançados, v. 19, n. 53, p. 157-166, 2005.

- MORI, S.A.; PRANCE, G.T. Lecitidaceas: família da castanha-do-pará. Boletim Técnico, v. 116, p. 3-35, 1983.

- MORI, S.A. Observações sobre as espécies de Lecythidaceae do Leste do Brasil. Boletim de Botânica da Universidade de São Paulo, v. 14, p. 1-31, 1995.

- SILVA, N.R.S.; MARTINS, S.V.; MEIRA NETO, A.A.; SOUZA, A.L. Composição florística e estrutura de uma Floresta Estacional Semidecidual Montana em Viçosa, MG. Revista Árvore, v. 28, n. 3, 2004.

- ROCHA, C.T.V.; CARVALHO, D.A.; FONTES, M.A.L.; OLIVEIRA FILHO, A.T.; VAN DEN BERG; E.; MARQUES, J.J. Comunidade arbórea de um continuum entre floresta paludosa e de encosta em Coqueiral, Minas Gerais, Brasil. Revista Brasileira de Botânica, v. 28, n. 2, p. 203-218, 2005.

- CIELO FILHO, R.; SANTIN, D.A. Estudo florístico e fitossociológico de um fragmento florestal urbano - Bosque dos Alemães, Campinas, SP. Revista Brasileira de Botânica, v. 25, n. 3, p. 291-301, 2002.

- DUCKE, A. Árvores Amazônicas e sua propagação. Boletim Museu Paraense Emilio Goedi, v. 10, p. 81-92, 1948.

- AMERICAS REGIONAL WORKSHOP (CONSERVATION & SUSTAINABLE MANAGEMENT OF TREES, COSTA RICA). Cariniana legalis in IUCN Red List of Threatened Species. Version 2011.2, IUCN. IUCN. Acesso em: Downloaded on 26 April 2012.

- LORENZI, H. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. Nova Odessa, SP: Instituto Plantarum, 2002. 151 p.

- YOUNG, C.E.;GALINDO-LEAL, C.;CÂMARA, I.G. Causas socioeconômicas do desmatamento da Mata Atlântica brasileira. São Paulo, SP; Belo Horizonte, MG: Fundação SOS Mata Atlântica; Conservação Internacional, 2005. 103-115 p.

Como citar

CNCFlora. Cariniana legalis in Lista Vermelha da flora brasileira versão 2012.2 Centro Nacional de Conservação da Flora. Disponível em <http://cncflora.jbrj.gov.br/portal/pt-br/profile/Cariniana legalis>. Acesso em .


Última edição por CNCFlora em 25/05/2012 - 16:10:12