Portal do Governo Brasileiro
2012 - Livro Vermelho 2013

Dyckia remotiflora Otto & A.Dietr. EN

Informações da avaliação de risco de extinção


Data: 06-02-2012

Criterio: B1ab(iii,v)+2ab(iii,v)

Avaliador: Miguel d'Avila de Moraes

Revisor: Tainan Messina

Analista(s) de Dados: CNCFlora

Analista(s) SIG:

Especialista(s):


Justificativa

Dyckia remotiflora não é endêmica do Brasil e ocorre também no Uruguai e Argentina. Em território nacional, a espécie é registrada apenas na Região Sul. Está protegida por unidades de conservação (SNUC), no entanto, ocupa uma AOO de 64 km². Ocorre em formações campestres e afloramentos rochosos. Atividades como mineração, agricultura e pecuária vêm causando o declínio contínuo da qualidade do hábitat da espécie. D. remotiflora não escapa da ação do gado bovino, que as devora parcialmente, impedindo sua expansão vegetativa e causando redução no número de indivíduos maduros. Assim, a espécie foi avaliada como "Em perigo" (EN).

Taxonomia atual

Atenção: as informações de taxonomia atuais podem ser diferentes das da data da avaliação.

Nome válido: Dyckia remotiflora Otto & A.Dietr.;

Família: Bromeliaceae

Sinônimos:

  • > Dyckia remotiflora var. montevidensis ;
  • > Dyckia remotiflora var. remotiflora ;
  • > Dyckia montevidensis ;
  • > Dyckia rariflora var. cunninghamii ;
  • > Dyckia rariflora var. montevidensis ;
  • > Dyckia vaginosa ;
  • > Dyckia jonesiana ;

Mapa de ocorrência

- Ver metodologia

Informações sobre a espécie


Distribuição

Não é endêmica do Brasil. Ocorre em Santa Catarina, Paraná e Rio Grande do Sul (Forzza et al., 2011; Martinelli et al., 2008). Segundo Versieux; Wendt (2006) a espécie ocorre também em Minas Gerais e São Paulo. A espécie ocorre também no Uruguai e Argentina (Rauh, 1973). Segundo Versieux et al. (2008), a espécie ocorre na Cadeia do Espinhaço na parte do Estado de Minas Gerais. Ocorre no município de Viamão, Rio Grande do Sul, no Parque Estadual de Itapuã. Este parque integra a região metropolitana de Porto Alegre. Constituído por áreas planas e morros com abundantes afloramentos graniticos, situa-se à beira da Lagoa dos Patos, junto ao desague do Rio Guaíba (Silva, 1994). Maior altitude registrada de 1400m (Versieux; Wendt, 2006).

Ameaças

1.3 Extraction
Detalhes O Parque Estadual de Viamão (RS), onde a espécie ocorre, é muito forte a exploração de pedreiras (Silva, 1994).

1.1.4 Livestock
Detalhes Silva (1994) relata que no Parque Estadual de Viamão (RS) mesmo as espécies que se encontram em locais de dificil acesso, como Dyckia remotiflora, não escapam da ação do gado bovino, que as devora parcialmente, impedindo sua expansão vegetativa.

10.1 Recreation/tourism
Detalhes O Parque Estadual de Viamão, no RS, um dos locais de ocorrência da espécie há impacto de atividades clandestinas de invasores, em busca de atividade de lazer.

1.1 Agriculture
Detalhes Na área de entorno do Parque Estadual de Viamão (RS),há agricultura de subsistência e pecuária que causam graves danos à flora e fauna (Silva, 1994).

Ações de conservação

1.2.1.3 Sub-national level
Situação: on going
Observações: A espécie foi considerada "Vulnerável" (VU) na Lista vermelha da flora do Rio Grande do Sul (CONSEMA-RS, 2002).

4.3 Corridors
Situação: on going
Observações: Ocorre no Corredor de Biodiversidade da Serra do Mar (Martinelli et al. 2008).

4.4 Protected areas
Situação: on going
Observações: Ocorre no Parque Estadual de Itapuã, município de Viamão, RS. Este parque integra a região metropolitana de Porto Alegre (Silva, 1994).

Referências

- MARTINELLI, G.; VIEIRA, C. M.; LEITMAN, P. ET AL. Bromeliaceae. In: STEHMANN, J. R.; FORZZA, R. C.; SALINO, A. ET AL. Plantas da Floresta Atlântica. p.186, 2009.

- MARTINELLI, G.; VIEIRA, C. M.; GONZÁLEZ, M. ET AL. Bromeliaceae da Mata Atlântica Brasileira: Lista de Espécies, Distribuição e Conservação. Rodriguésia, v. 59, n. 1, p. 209-258, 2008.

- VERSIEUX, L. M.; WENDT, T. Checklist of Bromeliaceae of Minas Gerais, Brazil, With Notes on Taxonomy and Endemism. Selbyana, v. 27, n. 2, p. 107-146, 2006.

- FORZZA, R. C.; COSTA, A. SIQUEIRA FILHO, J. A. ET AL. Dyckia in Lista de Espécies da Flora do Brasil, Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Disponivel em: <http://floradobrasil.jbrj.gov.br/2011/FB006046>. Acesso em: 01 de Fevereiro de 2011.

- SILVA, J. C. DA. Bromélias do Rio Grande do Sul - I, o Parque Estadual de Itapuã. Bromélia, v. 1, n. 2, p. 19-23, 1994.

- RAUH, W. Bromeliads: For Home, Garden and Greenhouse. In: TEMPLE, P. p.431, 1973.

- WILLIAMS, B. E. Growing Bromeliads. Kangaroo Press, 1988. 112 p.

- VERSIEUX, L.M.; WENDT, T.; LOUZADA, R.B.; WANDERLEY, M.D.G.L. Bromeliaceae da Cadeia do Espinhaço. Megadiversidade, v. 4, n. 1-2, p. 126-138, 2008.

- CONSELHO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE, RIO GRANDE DO SUL. Decreto estadual CONSEMA n. 42.099 de 31 de dezembro de 2002. Declara as espécies da flora nativa ameaçadas de extinção no estado do Rio Grande do Sul e da outras providências, Palácio Piratini, Porto Alegre, Rio Grande do Sul, 31 dez. 2002, 2002.

Como citar

CNCFlora. Dyckia remotiflora in Lista Vermelha da flora brasileira versão 2012.2 Centro Nacional de Conservação da Flora. Disponível em <http://cncflora.jbrj.gov.br/portal/pt-br/profile/Dyckia remotiflora>. Acesso em .


Última edição por CNCFlora em 06/02/2012 - 17:43:53